13 anos ao serviço do Desporto em Portugal

publicidade

 

Projeto arqueológico desvenda o passado romano de Peniche

Visita orientada aos trabalhos de tratamento de materiais arqueológicos – 31 de julho, pelas 15h00 – Fortaleza/Museu Municipal de Peniche


Decorre até ao próximo dia 1 de agosto no Museu Municipal de Peniche uma campanha de tratamento e estudo de materiais arqueológicos recolhidos na olaria romana do Morraçal da Ajuda, em Peniche.

 


Desenvolvido, de forma ininterrupta desde 1998, o projeto de estudo deste sítio arqueológico, dinamizado com o patrocínio do município, por equipa constituída por arqueólogos e estudantes de licenciatura e mestrado em Arqueologia das universidades de Lisboa e Coimbra, coordenada pelo arqueólogo Guilherme Cardoso, tem contribuído de forma significativa para o reconhecimento das raízes piscatórias de Peniche. Através deste projeto sabe-se hoje do desenvolvimento neste território, à época romana, de um conjunto de atividades económicas ligadas à fileira da pesca, com destaque para a presença de uma importante indústria conserveira. As diversas conservas de peixe aqui produzidas, por um industrial de nome Lúcio Arvénio Rústico, eram envasadas em ânforas, transportadas por via marítima, e comercializadas no Império Romano.

 


Os extensos trabalhos arqueológicos desenvolvidos na antiga olaria do Morraçal da Ajuda (da qual foram identificadas as estruturas de quatro fornos cerâmicos), repartidos entre campanhas de campo e de tratamento dos materiais arqueológicos exumados, permitem aferir estar-se na presença de um dos mais significativos sítios arqueológicos da época romana existentes em Portugal. Esta afirmação resulta do facto de estar-se perante a mais antiga olaria anfórica do período romano do atual território português, e que terá funcionado entre o último quartel do séc. I a. C e o início do séc. III d. C.. Esta precocidade traduz-se inclusivamente na presença de uma tipologia de ânforas própria.

 


Resultado direto deste projeto é a produção, em colaboração com a maior fábrica de conservas do concelho, de duas edições de latas de conserva de sardinha e de cavala, sob a chancela "Peniche, Há 2000 anos a produzir conservas", produto que associando arqueologia, arte e gastronomia, contribui para a evocação do passado conserveiro desta cidade.

 


Ainda durante a presente campanha terá lugar no dia 31 de julho, entre as 15h00 e as 17h00, uma visita orientada, de entrada livre, aos trabalhos de tratamento de materiais arqueológicos que decorrem no espaço do Museu Municipal, instalado na Fortaleza de Peniche.

 

Este projeto, financiado pelo Município de Peniche, conta igualmente com o apoio logístico da Docapesca, SA.

Periodicidade Diária

quinta-feira, 25 de abril de 2019 – 04:30:41

Pesquisar

Vamos ajudar a Oksana

Maryna Sribnyak
IBAN: PT50 0035 0614 0000 9327 930 65
SWIFT: CGDIPTPL
clicar na imagem para saber mais

publicidade

Atenção! Este portal usa cookies. Ao continuar a utilizar o portal concorda com o uso de cookies. Saber mais...