13 anos ao serviço do Desporto em Portugal

publicidade

 

O terceiro dia da Segunda Edição do Montepio Fado Cascais a 21 de Julho conta com a presença de Ana Moura e Carlos Leitão


 
Depois de Desfado se ter tornado o álbum mais vendido de um artista português nos últimos dez anos, Ana Moura regressa com Moura, disco que dá continuidade à sua parceria  com  o reputado produtor norte-americano Larry Klein, cujo extraordinário currículo inclui gravações com Joni Mitchell, Herbie Hancock, Madeleine Peyroux ou Melody Gardot.
 
Continuando a trilhar um caminho que personaliza o seu fado como uma música aberta ao mundo e sintonizada com a contemporaneidade,  Ana Moura é cada vez mais uma cantora incomparável e com esse talento raro de levar uma música com uma enorme tradição à convivência próxima de um público vasto, de todas as idades e de ouvidos despertos para canções que celebram a vida com uma sonoridade que só poderia existir hoje.
 
Moura, tripla-platina desde a sua edição em novembro de 2015, volta a juntar a voz da fadista a alguns dos mais notáveis nomes de uma geração de compositores nacionais, casos de Pedro da Silva Martins e Luis José Martins (Deolinda), Miguel Araújo (Os Azeitonas), Márcia, Samuel Úria e Jorge Cruz (Diabo na Cruz).  A este valoroso grupo de autores juntam-se ainda Pedro Abrunhosa, Carlos Tê, Edu Mundo, e duas parelhas com África no horizonte – Kalaf Epalanga (Buraka Som Sistema) escreve
para um original de Sara Tavares, equanto o escritor José Eduardo Agualusa assina uma letra para um tema do também angolano Toty Sa’Med. Os poemas dos dois fados tradicionais ficam por conta de duas das grandes letristas do fado na actualidade: Manuela de Freitas e Maria do Rosário Pedreira.

 
Ana Moura - voz
Ângelo Freire - guitarra portuguesa
Pedro Soares - guitarra acústica
André Moreira - baixo
João Gomes - teclado
Alexandre Frazão - bateria + percussão

 

Foto: Frederico Martins

 

 

Lançou o seu segundo disco de originais em março, iniciou a tour nacional, no Centro Cultural de Belém em maio, passou por palcos tão distintos, como o “Viva a Música” da Antena 1, a Feira de S. João e o Teatro Garcia de Resende ambos em
Évora, Castelo de Arraiolos, Festas de Corroios, Festival Primavera da Rádio Amália, entre muitos outros.

Aos 38 anos, Carlos Leitão revela segurança, maturidade e consistência raras e leva aos palcos o Fado, tal como o sente, inteiro.

Numa viagem permanente e intensa entre as composições originais e o fado tradicional, este lisboeta “de sangue e alma alentejanos” visita o seu primeiro disco, “Do Quarto” (editado em 2013), passa por alguns fados que interpreta desde sempre e concentra o restante alinhamento no seu mais recente trabalho, “Sala de Estar”, interpretando as suas próprias letras, musicadas por nomes como Mário Pacheco, Jorge Fernando, Rui Veloso e Júlio Resende, entre muitos outros.
Inerente e indissociável da sua alma e do seu coração, é igualmente o Cante Alentejano, e também neste campo, convida os espectadores a viajarem com ele…

Carlos Leitão transforma qualquer palco numa “Sala de Estar”, acolhedora, vestida de cumplicidades, ao jeito da tertúlia alentejana, da boa e enriquecedora conversa, um espaço de partilha em que o letrista, músico e compositor se revela, por
completo.

O apoio da Antena 1, da Associação Mutualista Montepio e o recente prémio “Mais Música” atribuído pela revista “Mais Alentejo”, mostram que o público e a critica são unânimes, Carlos Leitão, está no inequívoco patamar dos melhores!
 
Carlos Leitão - Voz 
Henrique Leitão - Guitarra portuguesa
Luís Pontes  - Viola de Fado
Carlos Menezes - Baixo

 

 

Periodicidade Diária

quarta-feira, 14 de novembro de 2018 – 13:00:44

Pesquisar

publicidade

Atenção! Este portal usa cookies. Ao continuar a utilizar o portal concorda com o uso de cookies. Saber mais...