14 anos ao serviço do Desporto em Portugal

publicidade

 

Visita ao mundo do Atletismo

Se bem me lembro, há uns tempos atrás, confessei a minha “alergia” a corridas. Isto é, não sou rapaz para grandes correrias, estou mais vocacionado para andamentos do género “tudo em paz do Senhor”. Mas, lá diz o povinho e a sua sabedoria que “há sempre uma primeira vez para tudo”.

A oportunidade para fazer o meu baptismo em provas de atletismo surgiu (os corta-mato dos tempos de escola não contam). “23 de Setembro de 2007”. Fixem bem esta data, porque vai fazer parte da “istória” da espécie de orientista. Dia da Meia Maratona Sportzone, no Porto, que por coincidência, oferecia também um percurso “popular” de seis quilómetros, que se enquadrava na perfeição nas minhas modestas capacidades físicas.

Esta iniciativa tinha um cariz especial, porque para além da competição, estava associada a um objectivo de solidariedade social, dado que cada inscrição fazia reverter cinquenta cêntimos para a Casa do Caminho, instituição de acolhimento de crianças em perigo. Para completar, o trajecto era pela marginal do rio Douro, que transformava a prova num excelente passeio turístico. Por insistência da minha mulher, fui inscrito conjuntamente com mais cerca de 12.500 “almas”.

Cheguei bem cedo, quase madrugada (atitudes de maçarico), ao Jardim do Cálem, onde estava instalada a meta e donde seriam disponibilizados autocarros para transportar os atletas para a partida. Constatei de imediato que era mesmo “muito cedo”, ainda se encontrava tudo meio ensonado, poucos atletas deambulavam por ali e só as conversas dos motoristas dos autocarros, davam um pouco de ambiente ao local. Situação passageira, num ápice, a zona foi inundada por uma multidão, que lhe emprestou um movimento em tons laranja, cor das camisolas oferecidas pela organização. Era hora de apanhar a minha “boleia” para a partida.

Freixo, 8,50 hrs, 16º e um nevoeiro bem intenso (mal se via o rio), capaz de arrefecer até aos ossos. Mas as adversidades climáticas, não são coisa que preocupe malta oriunda da orientação. O tempo era o ideal para a minha primeira experiência numa prova de atletismo. Comecei a ficar com “nervoso miudinho” e só queria mesmo era correr. “Terei apanhado algum vírus? Eu nem gosto de correr!”. Respirava-se atletismo por todos os poros e, de certeza, este ar que pairava, entranhou-se bem fundo no meu aparelho respiratório. Olá se entrou!!!

A massa de atletas ia aumentando à medida que se aproximavam as 10,00 horas. Jovens, menos jovens, crianças, bebés, um canídeo (o Jack) equipado a rigor com o respectivo dorsal, famílias inteiras, uma imensa multidão onde pontificavam alguns parceiros da orientação. Até o sol já dava um ar da sua graça. Esta prova adequava-se às “mil maravilhas”, ao treininho dominical de preparação para Sintra, próxima prova do nacional de Orientação. Entretanto iam-se tirando os “bonecos” da praxe, para documentar esta visita ao “maravilhoso” mundo do atletismo.

Tiro de partida!!! Só me apercebi, porque soou um gigantesco “bruá” e deu-se início ao “com licença”, “faz favor”, “oh senhor, não empurre!”, “desculpe se o pisei”, “não vi o Vítor Baía”, “chega-te para lá ao morcão”, alguns dos argumentos para deslassar a amálgama humana e podermos finalmente “dar corda às sapatilhas”. O meu objectivo era o de nunca parar (e que vontade me deu verter uma “aguinha”), seguir o meu ritmo e chegar antes da armada queniana (hehe). Não liguem! Também não ando assim tão mal. A minha previsão atirava para um tempo na ordem dos 39/40 minutos.

Nos metros iniciais, limitei-me a tentar não ser atropelado, pelos velocistas que tinham partido mais atrás, mas passando igualmente por muita e boa gente, que só ia fazer o seu passeio matinal. Os primeiros dois quilómetros percorri-os dentro do que tinha estipulado, mas a partir daí, não mais vi as placas informativas (o suor atrapalhou-me a visão, hehe) e comecei a “perder o fio à meada”. Depois do túnel da Ribeira, passei pela malta do GD4C (a orientação prestando a sua colaboração), que estavam no controlo das barreiras e ponto de água, o que me deu mais ânimo, pois nessa altura já estava a precisar de uma motivação extra.

A partir da Alfândega, o corpo começou a pedir descanso, mas como tinha idealizado fazer uma prova o mais séria possível (sou um atleta ou quê?), decidi não fazer a vontade às pernas, a cabeça é que manda. E mandou que não se pensasse mais no assunto, até porque estava perto do Museu do Carro Eléctrico, seguir-se-ia a Arrábida e o Fluvial e pronto! Mentalização não faltava…

Próximo do museu, fui alcançado por um grupo de orientistas (estamos em todas) do Estarreja (Amador, Casal e Manuela), que me serviu de referência e me deu mais uma forcinha para ultrapassar as derradeiras fraquezas e entrar na fase de passar os mais desgastados (a minha corrida nas calmas estava a surtir efeito). Na rotunda antes da meta, surgiu um grito de incentivo, da sempre presente Aurora Cunha – “Ninguém pára, só faltam 400 metros!” – Era o que eu necessitava (deu cá uma “pica”) para aumentar ligeiramente de ritmo e terminar em pleno. Fica para os anais, o distinto tempo de 41,22!!! (quem se rir leva…). E afinal nem estava assim tão cansado.

Enquanto aguardava pelo grupo da minha mulher, a torrente humana não parava, o que significava haver muitos milhares de “passeantes”, em condições bem piores que as minhas. Claro que esta realidade fez levantar o moral do “espécie de orientista”, após esta sua incursão ao mundo do atletismo. A experiência foi bastante agradável, a prestação nem por isso, mas vai ficar a promessa, de que mal haja nova oportunidade, voltarei.

 

Periodicidade Diária

terça-feira, 4 de agosto de 2020 – 14:02:00

Pesquisar

Como comprar fotos

publicidade

Atenção! Este portal usa cookies. Ao continuar a utilizar o portal concorda com o uso de cookies. Saber mais...