14 anos ao serviço do Desporto em Portugal

publicidade

 

Notícias

FPA divulga selecção pouco transparente para Taça do Mundo de Taicang

A Federação Portuguesa de Atletismo divulgou esta quarta-feira a composição da selecção que vai representar Portugal na 26.ª Taça do Mundo de Marcha, a realizar na cidade chinesa de Taicang, a 3 e 4 de Maio.
 
 
A lista tem a seguinte composição (entre parêntesis, o recorde pessoal e a melhor marca do ano):
 
 
50 km - Pedro Isidro (SL Benfica, 3.57.09, rec. pess.);
20 km masculinos - João Vieira (Sporting CP, 1.20.09, 1.23.20);
Sérgio Vieira (SL Benfica, 1.20.58, 1.24.15);
Miguel Carvalho (CN Rio Maior, 1.30.10, 1.31.34);
20 km femininos - Ana Cabecinha (CO Pechão, 1.27.46, 1.30.49;
Vera Santos (Sporting CP, 1.28.14, 1.31.14;
Inês Henriques (CN Rio Maior, 1.29.30, 1.31.25;
Susana Feitor (individual, 1.27.55, 1.34.03;
10 km juniores masculinos - Miguel Rodrigues (CN Rio Maior, 44.40, rec. pess. e m.m.a.);
Hélder Santos (GiraSol-RC, 45.03, rec. pess. e m.m.a.);
10 km juniores femininos - Mariana Mota (SL Benfica, 50.30, rec. pess. e m.m.a.);
Edna Barros (CO Pechão, 51.22, rec. pess. e m.m.a.);
Mara Ribeiro (CN Rio Maior, 48.08, 50.23.
 
 
 
Se, por um lado, esta selecção não suscita dúvidas em relação às equipas femininas e de juniores, já em relação às formações masculinas de seniores fica por comprender que critérios foram seguidos, sendo evidente que não bastaram os que estavam previstos no documento federativo «Critérios de selecção», relativo à Taça do Mundo de Marcha de Taicang.
 
 
 
Depois do estabelecimento de marcas de qualificação nos 50 km (4.00.00) que dificilmente deixariam possibilidades de constituição de uma equipa (como, de resto, se confirmou), a imposição de «mínimos» de 1.25.00 nos 20 km masculinos acabou por se revelar igualmente inacessível, impedindo a reunião de um trio que fosse a base de uma equipa (nos seniores, são precisos pelo menos três atletas por prova para a equipa pontuar, mas apenas dois reuniram as condições enunciadas nos critérios).
 
 
 
Perante o evidente falhanço da opção por marcas de qualificação impensáveis, a FPA decidiu seleccionar atletas sem mínimos para completar a equipa de 20 km. Ainda que a intenção possa ser louvada, ela não poderia ter sido servida de forma mais desastrada, dado que a escolha recaiu num atleta cuja valia não se discute mas que se encontra muito longe das marcas de qualificação, tanto no recorde pessoal (mais de cinco minutos) como, sobretudo, nos desempenhos na corrente época.
 
 
 
E é aqui que entra o que pode ser entendido como falta de transparência: quantas pessoas sabiam que uma marca bem acima de hora e meia dava direito a ser seleccionado? Quantos marchadores há em Portugal capazes de obter marcas a esse nível, bem diferente do que fora exigido de início? Por que razão outros atletas com melhores marcas durante o período de obtenção de «mínimos» não foram seleccionados? Por que razão se quis seleccionar um atleta sem marcas de qualificação para completar a equipa de 20 km masculinos e não se teve o mesmo procedimento nos 50 km, onde haverá apenas participação individual (apesar de se tratar de uma competição por equipas)? Porquê tanta tolerância nos 20 km masculinos e tanta exigência nos 50 km? Não é contraditório que se «abra» a equipa de 20 km masculinos depois de ter condenado a dos 50 km com aquelas marcas de qualificação? Se nos 20 km masculinos cabe um atleta com marca na última prova de observação a mais de oito minutos dos «mínimos», então porque não incluir na equipa de 50 km o campeão nacional, que proporcionalmente ficou muito mais perto da «referência» (a 11.40 minutos)? Quantos pesos e quantas medidas?
 
 
 
Estará a Federação Portuguesa de Atletismo a pensar dar alguma explicação sobre este assunto? Irá o treinador nacional de marcha emitir algum comentário sobre a matéria? E como pensam gerir esta situação em que o único que não tem culpa nenhuma (o atleta Miguel Carvalho) acaba por se ver envolvido numa polémica perfeitamente evitável e profundamente injusta para ele?
 
 
 
Paulo Bernardo, vice-presidente da FPA, será o chefe de comitiva, enquanto Carlos Carmino, treinador nacional de marcha, será o líder de uma equipa técnica que inclui os treinadores Paulo Murta e Jorge Miguel. O massagista será António Vieira.
 
 
 
O Marchador

Periodicidade Diária

quinta-feira, 17 de outubro de 2019 – 10:22:21

Pesquisar

Vamos ajudar!

Como comprar fotos

publicidade

Atenção! Este portal usa cookies. Ao continuar a utilizar o portal concorda com o uso de cookies. Saber mais...