13 anos ao serviço do Desporto em Portugal

publicidade

 

Notícias

Volta ao Algarve - Fabio Jakobsen sprinta para a amarela em Lagos

 

 

O holandês Fabio Jakobsen (Deceuninck-Quick Step) venceu hoje a primeira etapa da 45.ª Volta ao Algarve, uma maratona de 199,1 quilómetros entre Portimão, Cidade Europeia do Desporto, e Lagos.

 

A etapa terminou, como se esperava, com uma disputa de homens rápidos, mas foi um despique entre um grupo reduzido, uma vez que o pelotão ficou “cortado” devido a uma queda coletiva a 7 quilómetros da chegada.

 

 

Na reta da meta, perante milhares de pessoas, Fabio Jakobsen demonstrou enorme superioridade sobre os rivais, alçando os braços ao fim de 4h52m59s de corrida. O francês Arnaud Démare (Groupama-FDJ) foi o segundo classificado e o campeão da Alemanha de fundo, Pascal Ackermann (Bora-hansgrohe) fechou o pódio da jornada.

 

Na ausência de bonificações, a classificação geral está ordenada da mesma forma que a da etapa. Entre os homens apontados como candidatos à geral final, conseguiram passar entre os 25 corredores com o tempo do vencedor Neilson Powless (Team Jumbo-Visma), Wouter Poels (Team Sky), Tadej Pogacar (UAE Team Emirates), Sam Oomen (Team Sunweb), Enric Mas (Deceuninck-Quick Step), David de la Cruz (Team Sky) e Marc Hirschi (Team Sunweb). Os restantes homens com pretensões já cederam mais de um minuto.

 

A fase inicial da viagem foi animada pelas equipas portuguesas. Ao quilómetro dois, saíram do pelotão Pedro Paulinho (Efapel), David Ribeiro e Marvin Scheulen (LA Alumínios-LA Sport), José Mendes (Sporting-Tavira) e Rafael Lourenço (UD Oliveirense/InOutBuild).

 

 

David Ribeiro aproveitou a aventura para vestir a Camisola Azul Águas do Algarve, de rei da montanha.

 

“É um sentimento magnifico estar aqui no pódio de uma corrida com os melhores do mundo. Sabemos que devido ao valor deste pelotão defender esta camisola azul é é uma tarefa muito complicada, para não dizer impossível, por isso, vou desfrutar ao máximo esta conquista. É curioso pensar que, há uns meses, tinha marcado este dia para tentar brilhar e assim o comentei com os meus companheiros. Normalmente é o dia mais acessível para entrar na fuga do dia e consegui. Certamente os meus colegas de treino ficaram surpreendidos, mas eu tinha-os avisado”, refere David Ribeiro.

 

Quando este grupo fraquejou, destacaram-se dois homens da Efapel, Sérgio Paulinho e Antonio Angulo. A dupla foi controlada à distância pelo pelotão, que anulou a iniciativa a 23 quilómetros da meta.

 

A partir daí, as equipas dos sprinters assumiram a dianteira da corrida, mas uma queda numa zona de estrada larga complicou as contas, deixando a maior parte do pelotão para trás, uns corredores porque foram ao chão e outros porque a estrada ficou tapada pelos acidentados.

 

No sprint Fabio Jakobsen abriu a conta pessoal de 2019 com à vontade, vestindo também a Camisola Amarela Águas do Algarve e a Camisola Vermelha Cofidis, símbolo da liderança na classificação por pontos. O holandês é também o dono da Camisola Branca 120 Anos da FPC, que premeia o melhor jovem da competição.

 

 

“É sensacional vencer aqui no Algarve. É minha primeira corrida do ano, depois de muito treino no Inverno e diante do primeiro sprint da época nunca se sabe como está a nossa condição. A equipa revelou estar a um nível muito elevado e conseguiram colocar-me na melhor posição para lançar o meu sprint. Para mim, foi o momento crucial da corrida. Fizemos aqui um estágio há algumas semanas, treinamos na região e fizemos o reconhecimento desta chegada a Lagos. Cumprimos o primeiro objetivo da nossa presença na Volta ao Algarve e vencemos a primeira etapa, agora, na chegada a Tavira, no próximo sprint, queremos novamente discutir a vitória. Os últimos quilómetros foram rápidos. Houve luta pela melhor posição, enfrentamos uma subida ligeira, mas algo difícil, e deu-se uma queda importante. Felizmente não fomos afetados e espero que os que caíram estejam recuperados para amanhã”, salienta homem do dia.

 

A Volta ao Algarve chega, nesta quinta-feira, a um dos momentos fulcrais, a tirada com final no alto da Fóia, Monchique, ao fim de 187,4 quilómetros, a percorrer desde Almodôvar, de onde a caravana parte às 12h10. A chegada, coincidente com um prémio de montanha de primeira categoria, está marcada para as 17h00.

 

 

Periodicidade Diária

sexta-feira, 24 de maio de 2019 – 06:53:42

Pesquisar

Vamos ajudar a Oksana

Maryna Sribnyak
IBAN: PT50 0035 0614 0000 9327 930 65
SWIFT: CGDIPTPL
clicar na imagem para saber mais

publicidade

Atenção! Este portal usa cookies. Ao continuar a utilizar o portal concorda com o uso de cookies. Saber mais...