14 anos ao serviço do Desporto em Portugal

publicidade

 

Notícias

A Alpine está de regresso com o coupé desportivo A110 Première Edition

 

 

·   A Alpine está de regresso com o coupé desportivo A110 Première Edition

·   Fiel ao ADN da Alpine - leve, ágil e oferecendo um enorme prazer de conduzir

·   O modelo de lançamento Première Edition está totalmente reservado

·   O A110 de produção em série será comercializado de seguida

 

 

O totalmente novo A110 Première Edition é um leve e elegante coupé desportivo que marca o regresso da Alpine. Fiel ao ADN da marca, o A110 Première Edition privilegia a agilidade absoluta e o prazer de condução, sem sacrificar o conforto.

 

Este coupé de dois lugares, com motor central traseiro, é construído em alumínio, para minimizar o peso, e está equipado com uma sofisticada suspensão de duplos triângulos. O A110 Première Edition possui um motor turbo de 1.8 litros a gasolina, com quatro cilindros, que desenvolve 252 Cv e, como todos os Alpine, dispõe de tração traseira.

 

Limitada a 1955 exemplares - uma alusão ao ano em que a Alpine foi fundada - o A110 Première Edition foi totalmente reservado em apenas cinco dias depois de abertas as encomendas. Sendo o primeiro modelo da marca desde há duas décadas, o A110 Première Edition assinala, assim, o renascer da Alpine.  

 

Para além do seu rico legado na construção de automóveis desportivos leves e ágeis, cujo habitat natural são as sinuosas estradas de montanha, a Alpine forjou, também, a sua reputação na competição automóvel ao mais alto nível. Os seus principais momentos de glória incluem a conquista do Campeonato Mundial de Ralis, em 1973, e a vitória nas 24 Horas de Le Mans, em 1978.

 

É com esse espírito que a Alpine compete, atualmente, nas provas internacionais de resistência. O seu programa para o Campeonato Mundial de Endurance LMP2 FIA revela bem a ambição e o empenho da marca no desporto automóvel. Uma novidade para 2018 é o recém-anunciado troféu monomarca Alpine Europa Cup, que será organizado pela Signatech.

 

Michael van der Sande, Diretor-Geral da Alpine, afirma: "É um enorme privilégio relançar uma marca que desperta tamanha paixão, mas é, também, uma grande responsabilidade. Esta paixão pela Alpine, dentro do Grupo Renault e entre os entusiastas dos automóveis desportivos, é enorme. Há muito que tínhamos a ambição de fazer regressar a Alpine e agora é o momento certo."

 

"No novo A110 Première Edition recuperámos os princípios fundamentais responsáveis pelo sucesso da Alpine nos anos sessenta e setenta - como as dimensões compactas e a leveza - e aplicámo-los com tecnologias modernas. É um absoluto prazer conduzir este automóvel em estradas sinuosas ou em pista, mas também é muito confortável de conduzir no dia-a-dia."

 

 

Relançar a Alpine

 

·   Show car Alpine Vision apresentado em 2016

·   A110 Première Edition revelado um ano mais tarde

·   Fábrica original da Alpine, em Dieppe, ampliada e melhorada para a produção do A110

 

 

O projeto Alpine foi anunciado em 2012 e, quatro anos mais tarde, em 2016, o show car Alpine Vision foi revelado no Mónaco. Um ano mais tarde, o A110 Première Edition foi apresentado ao público no Salão Automóvel de Genebra. Concebida como uma marca autónoma integrada no Grupo Renault, a Alpine dispõe de equipas dedicadas de design e engenharia.

 

O A110 Première Edition será comercializado em 11 mercados europeus, bem como no Japão e na Austrália, e será vendido em concessionários dedicados - cerca de 57 só na Europa - por conselheiros com excelente formação e profundos conhecimentos.

 

O lote inicial de 1955 A110 Première Edition foi disponibilizado através de uma aplicação para telemóvel, que permitiu aos compradores fazer um depósito reembolsável e reservar um automóvel. Todos os A110 Première Edition foram reservados no espaço de cinco dias, o que ilustra bem o entusiasmo dos apaixonados por automóveis desportivos relativamente ao regresso da Alpine. As encomendas para o modelo de produção em série abrirão em breve, apesar da aplicação poder ser utilizada para garantir já uma posição na lista de espera. As entregas do A110 Première Edition terão início na Europa Continental, no começo de 2018.

 

O A110 será produzido na fábrica da Alpine, em Dieppe, no norte de França. Construídas pelo fundador da Alpine, Jean Rédélé, em 1969, as instalações de Dieppe continuaram a produzir, nos últimos anos, pequenas séries de automóveis de alto desempenho da Renault Sport. A produção Alpine regressa a Dieppe e, como parte do relançamento, a fábrica foi modernizada e fortemente melhorada.

 

Bernard Ollivier, Diretor-Geral Adjunto da Alpine, afirma: "Em 2012, no início do projeto, fui nomeado para criar um novo automóvel desportivo Alpine, partindo de uma folha em branco. Tinha de ser fiel ao ADN da Alpine - agilidade graças à leveza, muito elegante e um prazer de conduzir."

 

"Partindo de uma folha em branco, também pudemos criar a nossa própria plataforma. Defini um objetivo de peso de 1100 kg para o automóvel, o que é muito difícil de atingir. É por este motivo que decidimos utilizar alumínio no chassis e na carroçaria. O resultado final, apenas 1080 kg (1103 kg para o Première Edition), significa que atingimos o nosso objetivo de tornar o A110 um dos automóveis mais leves na sua classe."

 

Michael van der Sande acrescenta: "A primeira coisa que fizemos quando anunciámos o regresso da Alpine foi desenvolver uma linguagem de design que fizesse jus aos modelos originais e que demonstrasse, também, a nossa ambição e modernidade. Depois, desenvolvemos um conceito técnico - construção leve e prazer de condução absoluto - que faria com que o nosso novo automóvel se destacasse no segmento dos automóveis desportivos. Desde o início, afirmámos que o novo automóvel tinha de ser fiel ao ADN da Alpine. Só depois de conseguirmos isso é que construímos o modelo de negócio correspondente."

 

"A produção está de regresso à fábrica de Dieppe, na mesma unidade de produção utilizada para construir modelos Alpine há tantos anos. Foi necessário um planeamento aprofundado e um investimento elevado na fábrica - cuja produção foi prevista para números anuais inferiores a dez mil unidades - de modo a colocá-la em conformidade com os níveis pretendidos de acabamento, construção, consistência e qualidade."

 

 

Dados técnicos

 

·   Construção leve, em alumínio

·   Suspensão de duplos triângulos

·   Motor com turbocompressor 252 Cv, montado em posição central traseira

·   Prazer de condução e agilidade absolutos sem comprometer o conforto

 

 

Construção em alumínio

 

Leve, ágil e excitante de conduzir, o A110 Première Edition é, acima de tudo, um verdadeiro Alpine.

 

A sua leveza e a perfeita distribuição do peso permitem que o condutor se sinta um só com a máquina. O chassis e a carroçaria em alumínio estão na base do equilíbrio e da agilidade do A110. Com apenas 1080 kg, o A110 ocupa o seu próprio nicho

no segmento dos automóveis desportivos, oferecendo uma experiência de condução verdadeiramente única.

 

Foram tomadas medidas adicionais de redução de peso, como componentes da suspensão em alumínio, bancos desportivos superleves Sabelt (cada banco pesa apenas 13,1 kg) e travões Brembo, que integram o travão de estacionamento na pinça traseira principal e cuja utilização é uma estreia mundial. Só isto permite poupar 2,5 kg.

 

Suspensão de duplos triângulos

 

O A110 também deve a agilidade ao polivalente sistema de suspensão de duplos triângulos, que oferece múltiplas vantagens ao nível de condução e da manobrabilidade.

 

A primeira vantagem é a cinemática de suspensão linear. Quando o automóvel “rola” nas curvas, a suspensão permite que as superfícies de contacto dos pneus assentem de forma plana sobre a estrada, o que se traduz num permanente e elevado

nível de aderência. Quanto mais pronunciada for a curva, mais firmemente os pneus se apoiam sobre a superfície da estrada e maior aderência geram.

 

Este controlo permite que os engenheiros recorram a barras estabilizadoras leves e ocas, uma vez que não é necessário contrariar a natural tendência para o oscilar do automóvel. A utilização desta suspensão significa, também, que as molas possam

ser bastante macias. Daqui resulta uma qualidade de viagem muito confortável e excelentes capacidades de absorção de irregularidades no piso, mantendo a agilidade e a reatividade sem necessidade de amortecedores adaptativos.

 

Dada a eficiência do chassis em gerar aderência nas curvas, os engenheiros puderam instalar pneus Michelin Pilot Sport 4 205/40 R18 à frente e 235/40 R18 atrás. Estes pneumáticos são montados em jantes forjadas Otto Fuchs de 18 polegadas

que contribuem, também, para a redução do peso.

 

Prazer de condução sempre confortável

 

O facto do depósito de combustível estar situado imediatamente atrás da linha do eixo dianteiro contribui para distribuição de peso 44:56 do A110, que é perfeita para um coupé desportivo com motor central. Com o conjunto de sistemas de ajuda ao condutor - incluindo ABS, controlo de tração e controlo de estabilidade - o A110 é seguro, confortável e perfeito para conduzir no dia-a-dia.

 

O espaço de arrumação dianteiro, de 100 litros, é suficiente para duas malas de cabine lado a lado, enquanto o compartimento de arrumação traseiro, de 96 litros, permite arrumar dois capacetes integrais mais um saco de viagem.

 

Fornecidos pela conceituada Brembo, os discos de travão de 320 mm do A110, dotados de pinças em alumínio com quatro pistões (à frente), oferecem um forte e resistente poder de travagem. Por sua vez, o sistema de controlo de estabilidade

dispõe de um modo Sport bem como de uma definição Track (que permite um pouco mais de derrapagem antes de atuar), proporcionando uma condução mais empolgante, mas sempre segura. Para utilização em pista, o sistema ESP pode ser

totalmente desativado, independentemente do modo de condução selecionado.

 

Os três modos de condução são Normal, Sport e Track. Quando o condutor muda de modo, parâmetros como a resposta de aceleração, a assistência da direção, a rapidez das passagens de caixa, o som do escape e a ação do controlo de estabilidade

são adaptados, para proporcionar uma experiência de condução mais viva, empolgante e emocionante. O ecrã TFT digital de 10 polegadas, integrado no painel de instrumentos, também muda consoante o modo de condução.

 

Motor turbo para o melhor desempenho

 

Com a saída de escape ao centro - equipamento de série na Première Edition - o A110 combina a normalidade no quotidiano, em modo Normal, com o som arrebatador de um autêntico automóvel desportivo nos modos Sport e Track. O motor de

1.8 litros, com quatro cilindros, injeção direta e turbocompressor - personalizado pela Alpine com sistemas específicos de admissão, escape e turbo, a que se junta uma calibragem à medida - desenvolve uma potência máxima de 252 Cv às 6.000 rpm,

com 320 Nm de binário logo a partir das 2.000 rpm.

 

O reativo e enérgico motor transmite a potência às rodas traseiras através de uma transmissão de dupla embraiagem Getrag de sete velocidades, de cárter húmido, com relações específicas. A caixa de velocidades proporciona mudanças de

velocidade rápidas e combina uma função manual - em que o condutor pode mudar de velocidade com as patilhas em alumínio - com um confortável modo automático. A função de diferencial eletrónico proporciona uma excelente tração, mesmo em

pisos escorregadios.

 

A ótima relação potência/peso (4,3 kg / Cv) do automóvel, juntamente com a função launch control (controlo de arranque), permitem que o A110 acelere até aos 100 km/h em 4,5 segundos. A velocidade máxima está eletronicamente limitada a

250 km/h. A construção leve assegura uma excelente eficiência no consumo de combustível (6,1 l/100 km, combinado) e também baixas emissões de CO2 (138 g/km).

 

Aerodinâmica funcional

 

Com o fundo plano e o difusor traseiro, a aerodinâmica cuidadosamente elaborada torna desnecessário o spoiler traseiro. Isto preserva a elegante e intemporal silhueta do A110 Première Edition. As entradas de ar no para-choques dianteiro criam

uma cortina à frente das rodas dianteiras, melhorando o fluxo de ar e reduzindo a resistência ao avanço.

 

Outra das características importantes do automóvel é a sua reduzida área frontal. As dimensões compactas e os pneus relativamente estreitos significam que o A110 Première Edition gera um atrito mínimo, o que melhora a aceleração e a eficiência.

Equipamento de série de alto nível

 

O A110 Première Edition, edição especial, dispõe de uma lista de opções onde apenas é possível escolher uma das 3 cores: Alpine Blue (azul), Noir Profond (preto) e Blanc Solaire (branco nacarado).

 

Todos os exemplares do Alpine A110 Première Edition estão equipados com jantes em alumínio forjado de 18 polegadas, um escape desportivo ativo, sistema áudio Focal, pormenores interiores em fibra de carbono, pedais em alumínio escovado,

bancos desportivos Sabelt com acabamentos em pele e uma placa Première Edition numerada na consola central.

 

David Twohig, Engenheiro-Chefe da Alpine, afirma: "O A110 Première Edition é uma oferta única no segmento e, evidentemente, é fiel ao ADN da Alpine. Estou orgulhoso por termos conseguido redescobrir muitas das qualidades que tornaram a

condução dos primeiros Alpine tão boa, só que com o conforto, o desempenho e a segurança dos tempos atuais."

 

Laurent Hurgon, piloto responsável pelos testes e desenvolvimento, acrescenta: "O mais importante para mim é que não tem de se ser um piloto de competição para desfrutar do A110 e não tem de se conduzir muito depressa para sentir a emoção. Também é muito confortável de conduzir no dia a dia. No entanto, para condutores mais experientes, o seu desempenho é de muito alto nível."

 

"O A110 é um automóvel de estrada, mas como é tão leve e ágil, também é ótimo para conduzir em pista. Pode sentar-se ao volante e conduzi-lo até ao seu local de trabalho ou divertir-se em estradas de montanha ou mesmo num circuito de corrida."

 

 

Design e interior

 

·   A110 Première Edition é fiel ao espírito dos Alpine clássicos

·   Habitáculo espaçoso, apesar das dimensões exteriores compactas

·   Nível superior de equipamento

 

 

Inspirado pelo A110 Berlinette original, o mais icónico modelo da Alpine, o A110 Première Edition é o elo de ligação entre o legado da marca e o seu futuro. Liderada pelo francês Antony Villain, a equipa de design propôs-se captar o espírito da Alpine

e criar uma linguagem de design que resistisse ao teste do tempo.

 

Os faróis duplos à frente, os flancos fluidos, a característica nervura no capô e o vidro traseiro são herdados do A110 Berlinette, enquanto as luzes diurnas LED e as luzes traseiras LED em forma de "X", com pisca-piscas dinâmicos, deixam adivinhar

os desempenhos e a engenharia avançada. Por sua vez, a linha singular e graciosa, que flui da parte dianteira à parte traseira do automóvel, é um traço de design característico da Alpine. Os designers puderam criar uma forma pura e elegante, imediatamente reconhecível como sendo um Alpine.

 

O acesso ao habitáculo de alta qualidade é dos mais fáceis no segmento dos automóveis desportivos, graças à soleira baixa. A consola central suspensa e os apoios de banco expostos proporcionam uma sensação de leveza, enquanto os bancos desportivos Sabelt, com acabamentos em pele, permitem minimizar o peso. Quanto ao sistema áudio Focal, recorre a altifalantes que integram a tecnologia Flax Cone patenteada, para proporcionar um som nítido e puro, enquanto os pedais em

alumínio e o apoio para os pés do passageiro espelham a leve construção em alumínio do automóvel.

 

Ostentando com orgulho uma placa numerada na consola central, cada A110 Première Edition vem totalmente equipado de série. A navegação por satélite, o ar condicionado e o cruise control asseguram que o A110 Première Edition é prático

para o quotidiano e divertido de conduzir. Por sua vez, a telemetria Alpine permite aos condutores registarem os tempos de volta numa pista e guardar os dados de desempenho de condução.

 

O A110 Première Edition também dispõe de conectividade MySpin ao telemóvel, que "espelha" o smartphone do condutor, para uma utilização mais simples e segura em andamento.

 

Antony Villain, Chefe de Design da Alpine, afirma: "Como entusiasta de automóveis, criar um novo Alpine foi uma oportunidade de sonho. O A110 Berlinette é um carro tão icónico que foi perfeitamente natural usá-lo como referência para o novo 

modelo."

 

História da Alpine

 

·   Fundada por Jean Rédélé em 1955

·   A110 Berlinette original lançado em 1962

·   Fábrica de Dieppe construída em 1969

·   Alpine adquirida pelo Grupo Renault em 1973

 

 

A Alpine deve a sua existência a um homem - Jean Rédélé. Nascido em 1922, em Dieppe, França, Rédélé sempre foi um apaixonado por automóveis e um talentoso condutor e mecânico. Na sua juventude, estudou em Paris, antes de abrir um concessionário automóvel na sua cidade natal. Piloto de ralis, talentoso e competitivo, Rédélé participou com o seu Renault 4 CV em vários eventos desportivos, no início dos anos cinquenta.

 

Rédélé conquistou várias vitórias na classe em famosas competições automóveis, como a Mille Miglia e o rali Critérium des Alpes. Tendo identificado uma lacuna no mercado e incentivado pelos sucessos na competição, Rédélé criou a sua empresa

de automóveis desportivos em 1955. Escolheu o nome Alpine em homenagem ao rali Critérium des Alpes - onde tinha obtido o seu melhor resultado competitivo até então.

 

As estreitas e sinuosas estradas alpinas deram a Rédélé mais do que apenas o nome da sua empresa; também determinaram o conjunto fundamental de princípios técnicos que definiriam cada automóvel Alpine. Rédélé reconheceu que não era a

mera potência ou força bruta que tornavam um carro rápido numa tortuosa etapa de rali, mas sim a leveza, as dimensões compactas e a agilidade.

 

O seu primeiro automóvel foi o Alpine A106, baseado no chassis do Renault 4 CV. Em 1958, surgiu o segundo automóvel, o A108, que dispunha de um chassis próprio. Mas foi apenas com o A110 Berlinette, lançado em 1962, que a sua jovem

empresa começou a afirmar-se. Nesta altura, já existia uma estreita colaboração entre a Alpine e a Renault, sendo os concessionários Renault responsáveis pela venda e manutenção dos automóveis Alpine.

 

No início dos anos setenta, a Alpine era um participante de relevo na competição automóvel. Em 1971, a Alpine venceu pela primeira vez o famoso Rali de Monte Carlo, obtendo novo triunfo em 1973. Nesse ano, a empresa acabou por conquistar o

título de Construtores do Campeonato Mundial de Ralis, o seu maior feito até à data.

 

Entretanto, as vendas da Alpine cresciam. Em 1969, Rédélé construiu uma fábrica específica em Dieppe - as mesmas instalações que produzem atualmente o novo A110 - e, em 1971, o substituto do A110, o A310, entrou em produção. Dois anos

mais tarde, a Alpine foi adquirida pelo Grupo Renault.

 

A Alpine obteve outro notável triunfo desportivo em 1978: a vitória nas 24 Horas de Le Mans. Ao longo dos anos setenta e oitenta, a fábrica continuou a lançar novos e inovadores automóveis de estrada, incluindo o A310 V6 e o GTA.

 

A produção dos Alpine terminou em 1995. Mais de 30 000 automóveis de estrada Alpine haviam sido construídos ao longo de 40 anos, juntamente com mais de 100 automóveis de competição monolugares e protótipos. Durante os anos de hibernação

da marca, os entusiastas da Alpine mantiveram a marca viva em todo o mundo, formando clubes de proprietários e exibindo diversos modelos Alpine em eventos para automóveis desportivos clássicos. Agora, está a ser escrito um novo capítulo nos

livros da história Alpine.

 

Certa vez, o fundador da Alpine, Jean Rédélé, afirmou: "Escolhi o nome Alpine para a minha empresa porque, para mim, é um adjetivo que simboliza o prazer de conduzir em estradas de montanha. Os momentos mais divertidos que já vivi ao volante

foram ao percorrer os Alpes no meu 4 CV de cinco velocidades e, para mim, era essencial que os meus clientes desfrutassem desse mesmo nível de emoção no automóvel que quis construir. A este respeito, o nome Alpine é simbólico e perfeitamente apropriado."

 

Principais datas da história da Alpine

1955

Criação da Société des Automobiles Alpine. Lançamento do A106

1962

Lançamento do A110

1971

1.ª vitória no rali de Monte Carlo

1973

A Alpine conquista o título de Construtores do Campeonato Mundial de Ralis. A Alpine é adquirida pelo Grupo Renault

1976

Lançamento do A310 V6

1978

A Alpine vence as 24 Horas de Le Mans

1985

Lançamento do GTA

1991

Lançamento do A610

1995

Produção da Alpine descontinuada

2012

Anúncio de um projeto de automóvel Alpine

2015

Apresentação do automóvel de competição Alpine Célébration Concept nas 24 Horas de Le Mans

2016

Relançamento da Alpine e apresentação do show car Alpine Vision

 

 

A Alpine no desporto automóvel

 

·   No palmarés da Alpine destacam-se vitórias no Campeonato Mundial de Ralis e nas 24 Horas de Le Mans

·   A Alpine competiu em provas de monolugares, ralis e resistência

·   Em 2016, a Alpine venceu Le Mans (categoria LMP2) e o Campeonato Mundial de Resistência LMP2 FIA

 

Demonstrar o desempenho, a agilidade e a durabilidade dos seus automóveis na exigência do desporto motorizado era algo da maior importância para Jean Rédélé. Durante décadas, a Alpine competiu ao mais alto nível em ralis e em circuitos,

registando uma série de famosas vitórias. Com esse mesmo espírito ambicioso e determinado, a Alpine compete, atualmente, no Campeonato Mundial de Resistência FIA. Em paralelo, o campeonato monomarca Alpine Europa Cup,

demonstrará

o desempenho do A110 em pista.

 

Apesar da Alpine ser mais conhecida pela participação em ralis nos anos sessenta e setenta e pela conquista das 24 Horas de Le Mans, em 1978, na realidade, a empresa competiu em todas as disciplinas do desporto automóvel. A Alpine

construiu não menos de 70 monolugares de competição, incluindo dois Fórmula 1, e cerca de 37 protótipos desportivos para corridas de resistência.

 

A empresa conta, também, no seu palmarés, com vários campeonatos de Rallycross, e competidores amadores registaram mais de 1000 vitórias individuais em rampas, eventos de competição promovidos por clubes automóveis. Claramente,

o desporto automóvel faz parte do ADN da Alpine.

 

Em 1963, o aerodinâmico protótipo M63 - o modelo concebido especificamente para circuito - conquistou o campeonato francês de automóveis desportivos. No ano seguinte, o protótipo M64 melhorado repetiu a proeza e obteve uma vitória na

classe,

em Le Mans.

 

No mesmo ano, o primeiro Fórmula 3 da Alpine, conduzido pelo francês Henri Grandsire, conquistou o campeonato francês de F3. Rapidamente se seguiram uma série de triunfos em campeonatos nacionais de ralis, com o A110 vitorioso em

Espanha, França, Bulgária e Roménia, entre outros. Em 1971, três A110 dominaram o pódio no mundialmente famoso Rali de Monte Carlo, proeza que a Alpine repetiu dois anos mais tarde. Esse desempenho nas sinuosas e cobertas de neve

estradas de Monte Carlo marcou um momento decisivo; no final desse ano, a Alpine conquistou o título de Construtores do Campeonato Mundial de Ralis.

 

Foi em 1978 que a Alpine registou um dos mais celebrados sucessos no desporto automóvel. Ao volante do protótipo de competição A442B, Didier Pironi e Jean-Pierre Jaussaud venceram as 24 Horas de Le Mans, dando 369 voltas às 8 milhas do

Circuit de la Sarthe. Em meados dos anos noventa, a Alpine tinha no palmarés 26 títulos de rali domésticos e internacionais, quatro campeonatos de Rallycross e seis títulos de monolugares.

 

Tendo como ponto de partida essas décadas de sucesso, a Alpine regressou à linha da frente da competição automóvel em 2013, em colaboração com a escuderia francesa Signatech; o protótipo A450 da marca conquistou o título da European

Le Mans Series à primeira tentativa, e repetiu o feito em 2014.

 

A partir daí, a Signatech-Alpine evoluiu para o Campeonato Mundial de Resistência FIA e, no primeiro ano, o A450B venceu uma corrida na categoria LMP2, nas 6 Horas de Xangai. Em 2016, o automóvel que lhe sucedeu, o A460, venceu quatro

das nove provas, conquistando o título LMP2 WEC para a Alpine, obtendo nas 24 Horas de Le Mans a mais disputada dessas vitórias. Em 2017, a Alpine continuou a competir no Campeonato Mundial de Resistência da FIA, vencendo a classe nas

6 Horas do Circuito das Américas.

 

Uma versão de competição do A110, o A110 Cup, foi desenvolvida pela Signatech, em estreita parceria com os engenheiros da Alpine. Com a potência aumentada para 270 Cv e o peso reduzido para apenas 1050 kg, o carro de competição é a

suprema expressão da incrível agilidade do A110 e da sua empolgante prestação em pista. A partir de 2018 a Alpine Europa Cup, uma competição monomarca, percorrerá alguns dos mais icónicos circuitos europeus, incluindo Silverstone, no

Reino Unido, e Spa-Francorchamps, na Bélgica.

 

Bernard Ollivier, Diretor-Geral Adjunto da Alpine, afirma: "A Alpine é uma das raras marcas automóveis provenientes da competição automóvel. Jean Rédélé criou a Alpine devido ao sucesso que teve na competição automóvel. Quando

relançámos

a Alpine, decidimos muito cedo que tínhamos de voltar a envolver a marca nas corridas automóveis."

 

 

"Também decidimos que era importante para nós demonstrar que o ADN da Alpine, caracterizado pela competição automóvel, estava presente no A110 de produção. Foi por este motivo que anunciámos a Alpine Europa Cup.

 

Com muito poucas alterações, o A110 torna-se um emocionante carro de corrida, sublinhando o seu desempenho e agilidade inatos. Esta competição também permitirá que pilotos amadores se tornem uma parte importante da história da

competição automóvel da Alpine."

 

Dados técnicos

 

Alpine A110 Première Edition

Tipo de combustível

Gasolina

Tipo de motor

1.8l, 4 cilindros., 16 v, turbocomprimido

Potência máxima

252 Cv às 6.000 rpm

Binário máximo

320 Nm às 2.000 rpm

Arquitetura

motor central traseiro, tração traseira

Tipo caixa de velocidades

Dupla embraiagem, cárter húmido, 7 velocidades

Peso em vazio (DIN)

1103 kg

Relação potência/peso

4,3 kg / Cv

Dimensões

4180/1798/1252 (C x L x A)

Distância entre eixos

2420 mm

Largura eixo dianteiro

1556 mm

Largura eixo traseiro

1553 mm

Chassis

Suspensão dianteira e traseira de duplos triângulos

Travões dianteiros

pinça fixa de 4 pistões, discos 320 mm

Travões traseiros

pinça flutuante de um pistão, discos 320 mm

Coeficiente aerodinâmico

Cx: 0,32  /  SCx: 0,621

Depósito de combustível

45 litros

Capacidade do porta-bagagens dianteiro

100 litros

Capacidade do porta-bagagens traseiro

96 litros

Jantes e pneus

205/40R18 (frente), 235/40R18 (trás)

Velocidade máxima

250 km/h

Aceleração

0-100 km/h em 4,5 segundos

Consumo de combustível
(combinado NEDC)

6,1 litros/100 km

Emissões

138 g/km CO2

 

 

 

Periodicidade Diária

quinta-feira, 17 de outubro de 2019 – 10:02:10

Pesquisar

Vamos ajudar!

Como comprar fotos

publicidade

Atenção! Este portal usa cookies. Ao continuar a utilizar o portal concorda com o uso de cookies. Saber mais...