13 anos ao serviço do Desporto em Portugal

publicidade

 

Notícias

Comités Paralímpicos de Língua Portuguesa assinam protocolo de cooperação

 

 

Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor formalizaram por escrito compromisso estratégico que garante a criação num futuro próximo da Associação de Comités Paralímpicos Nacionais de Língua Portuguesa. Cimeira de entendimento decorreu em Braga.


A Faculdade de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Católica de Braga foi palco da assinatura do protocolo de cooperação entre os oito Comités Paralímpicos Nacionais representados no Congresso “Impactos e Desafios da Inclusão Desportiva” decorrido nos dias 13 e 14 de Abril. A Cimeira promovida pelo Comité Paralímpico de Portugal (CPP) em paralelo ao evento resultou no acordo formal de entendimento entre os oito Comités Nacionais de Língua Portuguesa presentes (Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor) com vista à promoção do desenvolvimento do desporto adaptado em todas as nações envolvidas através da elaboração de um Plano Estratégico de linhas de atuação comuns que estará concluído ainda no decorrer do mês de Maio.


Contemplada no documento de cooperação assinado na qualidade de testemunha pelo Presidente do Comité Paralímpico Internacional, Andrew Parsons, está ainda a criação num futuro próximo da Associação de Comités Paralímpicos Nacionais de Língua Portuguesa, entidade com estatutos próprios que terá um “papel fundamental na incrementação da capacidade de influência e intervenção do desporto adaptado lusófono a nível global”. Assim o entende José Manuel Lourenço, Presidente do Comité Paralímpico de Portugal, que classifica a formalização do protocolo como um “momento histórico” que trará “ganhos indiscutíveis ao nível do intercâmbio de experiências”. Realçando a “responsabilidade de efetivar as intenções comuns aqui propostas”, José Manuel Lourenço acrescentou que deste aprofundar de relações entre países irmãos resultará também o “fortalecimento natural da vertente desportiva”, sendo que nas pistas ou nas piscinas “os envolvidos vão continuar a disputar títulos na qualidade de adversários”. 


Também Leonel da Rocha Pinto, Presidente dos Comités Paralímpicos Angolano e Africano, saudou os benefícios para os países africanos de “partilhar a grande experiência de Portugal e Brasil no campo do desporto adaptado”, uma oportunidade que capaz de tornar o “caminho longo a percorrer pelo desporto para pessoas com deficiência em África um pouco mais curto”. 


Recorde-se que o Congresso “Impactos e Desafios da Inclusão Desportiva” terminou hoje após diversas palestras e painéis de debate em torno de temas como a inclusão, a classificação desportiva, o financiamento no ramo paralímpico ou a formação de treinadores perante cerca de 300 participantes. Para além dos Presidentes dos Comités Nacionais e Internacional, o evento organizado pelo CPP contou ainda com a presença na qualidade de oradores dos Secretários de Estado da Inclusão das Pessoas com Deficiência e da Juventude e do Desporto e do Presidente da CM Braga, para além da mensagem em formato de vídeo enviada pelo Presidente da República. 
 

 


 

sexta-feira, 21 de setembro de 2018 – 00:11:44

Pesquisar

publicidade

Atenção! Este portal usa cookies. Ao continuar a utilizar o portal concorda com o uso de cookies. Saber mais...