12 anos ao serviço do Desporto em Portugal

publicidade

 

40.ª São Silvestre da Amadora com novo recorde de participantes - Doroteia Peixoto e Rui Pinto os mais rápidos na noite mágica

Superada a barreira do milhar de atletas masculinos a chegar à meta

 

Cumprindo-se a tradição da última noite do ano, dedicada a São Silvestre, o Desportivo Operário Rangel e a Câmara Municipal da Amadora voltaram a mobilizar milhares de pessoas que vieram para a rua aplaudir os atletas, tornando o final de tarde, e na contagem decrescente fechar o dia 31 de Dezembro, a noite mágica do atletismo.

 

Com um novo máximo de atletas chegados à meta (1.235), Doroteia Peixoto (Amigos da Montanha), e Rui Pinto (Benfica) foram consagrados campeões da edição de 2014, batendo por margem folgada toda a concorrência.

 

Carla Tavares, presidente da CM Amadora feliz com o sucesso da prova

 

«Estou muito satisfeita. São quarenta anos de São Silvestre no dia 31, com muita gente na rua, muitos participantes, e uma cidade muito calorosa. É um orgulho para todos nós» sublinhou em exclusivo à nossa reportagem- AMMA-, a presidente da Câmara Municipal da Amadora, Carla Tavares. A autarca acompanhou desde muito cedo toda a organização da corrida, sendo uma das últimas a deixar a zona do pódio, participando ainda na consagração dos melhores atletas masculinos e femininos. Quanto ao novo máximo de participantes, Carla Tavares não deixou de endereçar os parabéns a todos os que marcaram presença na prova. «Tão importante como vencer e por isso tivemos muitos concorrentes de primeiro plano, é sobretudo participar. E neste caso estão todos de parabéns os que concluíram a prova, permitindo-me destacar o grande número de mulheres que este ano estiveram aqui na Amadora, o que nos deixa muito orgulhosos e que marca positivamente esta 40.ª edição da São Silvestre». Para o novo ano de 2015, a autarca amadorense deixou ainda um conjunto de desejos: «muita saúde, muita força e muita coragem para enfrentar-mos todos os desafios que temos pela frente-e são muitos-, mas essencialmente muita saúde, porque acho que é o mais importante. Porque para o resto lá vamos arranjando a força necessária. Um bom ano para todos!»

 

Duas centenas de mulheres abrem caminho ao sucesso da prova

 

Com dez minutos de vantagem sobre o início da corrida masculina, o pelotão feminino iniciou a sua abordagem ao asfalto, e aos 10 km do percurso pelas 18h00. A noite caía já sobre a cidade, e o frio começava a apertar, mas nem por isso deixou de mobilizar mulheres de várias idades e de perfis, até, pouco atléticos. O que interessava era mesmo estar por dentro da festa, e houve até quem, por falta de capacidade para correr, opta-se desde logo por caminhar, pouco se importando pelo andamento do relógio e da (longa) espera a que obrigou toda a estrutura logística da corrida. Feitas as contas finais, foram duzentas, as mulheres que cortaram a meta, um crescimento acima dos 20% relativamente a 2013, o que é significativo, tendo em conta a noite de passagem de ano.

 

Doroteia Peixoto, Cláudia Pereira e Sara Pinho no pódio feminino

 

A mais rápida de todas, seria Doroteia Peixoto que chegaria à meta, 34 minutos e 45 segundos depois do tiro de partida. Terceira classificada, o ano passado com a camisola do Maratona, melhorou 21 segundos relativamente à edição de 2013, um registo que lhe garantiu a vitória, uma vez que as suas perseguidoras gastaram todas, menos tempo. Cláudia Pereira (34,58’), e Sara Pinho (35,03’), completaram o pódio, numa luta que se manteve sempre muito acesa até ao último terço da corrida. Doroteia, este ano com a camisola do clube Amigos da Montanha, partiu rápida e quis ganhar vantagem para garantir a vitória. «Quis muito ganhar esta corrida, uma prova mítica do calendário nacional, e por isso arranquei muito forte. Estou muito feliz», declarou a atleta, aos jornalistas e repórteres de imagem, cuja presença na Amadora foi também bastante forte.

 

Rui Pinto com estreia demolidora e novo máximo no sector masculino

 

Consagração do sector masculino com a presença de convidados no pódio

 

A organização havia subido a fasquia, colocando-a no milhar e meio de participantes, até como forma de assinalar positivamente a edição número 40, da corrida. As inscrições chegaram lá perto, o que indiciava desde logo que estaria na calha novo máximo de corredores a cortar a linha de meta. A barreira do milhar foi finalmente ultrapassada, com 1.035 a finalizarem a prova, quase 10% mais que em 2013. Nos homens, o benfiquista Rui Pinto fez uma estreia com direito ao lugar mais alto do pódio, derrotando os seus colegas de equipa, Yousself El Kalai e José Moreira. O regressado Eduardo M’Bengani, ficou fora do pódio (4.º), com o seu companheiro de equipa (Sporting), Ricardo Mateus, no 5.º lugar.

 

Jorge Pina (ao fundo) e a sua Associação com forte presença na Amadora

 

Quanto a estreias na competição, uma nota ainda para o ex-pugilista, Jorge Pina, que aos 31 anos ficou cego, optando mais tarde pelo atletismo (desporto adaptado/amblíopedes) chegando em 2008, na China, e Londres, 2012, aos jogos paralímpicos. Entrou na 125.ª posição com o excelente registo de 38,20, tendo em conta que já soma 38 anos. O seu objectivo passa por marcar presença em 2016 nos Jogos Paralímpicos do Rio de Janeiro. Esta foi a primeira vez que a São Silvestre da Amadora permitiu a participação de atletas com deficiência, e para além de Jorge Pina, outros também marcaram presença correspondendo ao convite do Desportivo Operário Rangel, entidade organizadora da competição.

 

Organizados, ou apenas informalmente, clubes e atletas promovem a festa do atletismo

 

Algumas notas finais relativas à edição n.º 40: a primeira, para o excelente trabalho da PSP no sempre difícil controlo do trânsito automóvel, mantendo os níveis de segurança de todos os atletas no máximo. A segunda, para a mobilização do público que em cada ano supera as expectativas, tornando a corrida da Amadora na mais espectacular de todas de fim-de-ano. Pela negativa, a ausência de atletas apresentados como cabeça-de-cartaz e que primaram pela ausência, sendo as mais notadas,Salomé Rocha, e Licínio Pimentel.

 

A última, assim a modos como um recado para a organização. Estando a Comunicação Social, acreditada, e disponível para realizar o melhor trabalho, não se entende como é que na cerimónia do pódio (pelo menos) não exista uma barreira para proteger os fotógrafos, e repórteres de imagem. É que assim, juntam-se espectadores com inúmeros telemóveis, e objectivas de bolso que acabam por prejudicar os profissionais, tapando os melhores ângulos de visão. Uma situação que com certeza será tida em conta na edição de 2015…

 

Texto e fotos: Ventura Saraiva

 

 

Classificações- top 10

Masculinos

1.º Rui Pinto, Benfica, 29,49’

2. º Youssef El Kalai, Benfica, 30,01’

3.º José Moreira, Benfica, 30,13’

4.º Eduardo M’Bengani, Sporting, 30,32’

5.º Ricardo Mateus, Sporting, 30,35’

6.º Nélson Cruz, Clube Pedro Pessoa EA

7.º Hugo Correia, Juv. Vidigalense

8.º Bruno Henriques, JOBRA, 31,19’

9.º Sérgio Silva, Individual, 31,35’

10.º Emiliano Vieira, RB Running, 31,36’

 

Femininos

1.ª Doroteia Peixoto, Amigos Montanha, 34,45’

2.ª Cláudia Pereira, Individual, 34,58’

3.ª Sara Pinho, Sporting 35,03’

4.ª Leonor Carneiro, Sporting, 35,29’

5.ª Catarina Carvalho, DONAS, 35,51’

6.ª Silvana Dias, Benfica, 35,58’

7.ª Vera Nunes, Benfica, 36,01’

8.ª Daniela Cunha, UD Várzea, 36,48’

9.ª Solange Jesus, Sporting, 37,08’

10.ª Margarida Dionísio, Srª Desterro,

 


 

quinta-feira, 19 de julho de 2018 – 15:28:45

Pesquisar

Reportagens fotográficas em preparação

- Rolex TP52 World Championship 2018 - Cascais

publicidade

Atenção! Este portal usa cookies. Ao continuar a utilizar o portal concorda com o uso de cookies. Saber mais...