14 anos ao serviço do Desporto em Portugal

publicidade

 

XXVII GP do Dafundo

Grande Prémio de Atletismo do Dafundo- Troféu CMO
“P'ra melhor está bem, está bem, p'ra pior já basta assim…”


Realizou-se no domingo, dia 26, o “ XXVII Grande Prémio de Atletismo do Dafundo, competição pontuável para o Troféu CMO- Corrida das Localidades e que apesar da concorrência de outras provas, reuniu na linha de chegada 610 atletas, divididos pelos escalões etários admitidos pelo regulamento da prova (Benjamins a Veteranos, masculinos e femininos).
 
A necessidade dos clubes pontuarem de forma a manter – ou melhorar – as classificações colectivas, é, quanto a nós, uma das razões da forte presença de atletas, já que pelo regulamento, já todos (ou quase) já sabiam ao que iam; ou seja, um fraquíssimo lote de prémios quer individuais, quer colectivos.
 
O estranho é que uma colectividade que conta com uma secção de atletismo e foi durante anos, um dos baluartes da modalidade no concelho de Oeiras, tenha optado este ano por limitar a número de medalhados nas várias provas, recorrendo ao ponto 10 do Regulamento Geral do Troféu, atribuindo prémios aos 5 melhores classificados de Benjamins até Juvenis, e apenas aos três primeiros desde os Juniores aos Veteranos.
 
Até neste caso, a Câmara Municipal de Oeiras, não teve em conta as estatísticas de cada ano, já que o maior número de corredores verifica-se exactamente nos escalões mais velhos. Senão vejamos o registo no Dafundo: Benjamins até Juvenis, 143 classificados. Juniores até Veteranos; 467!
 
E depois a classificação colectiva com apenas 5 equipas, é bem pobrezinha, quando na maioria das provas, a presença de equipas, e/ou clubes ronda a meia-centena.
 
Mas isso, é uma questão de bom- senso dos dirigentes e das organizações. Quando se quer economizar nos prémios da forma como se fez no Dafundo, está-se a contribuir para “matar” um dos quadros competitivos mais ricos em dinâmica desportiva e organizacional do país. Mas isso, são contas que mais cedo, ou mais tarde, alguém pagará a factura…

“P'ra melhor está bem, está bem, p'ra pior já basta assim…”
 
Entrando ainda no aspecto organizativo do “XXVII G.P. do Dafundo”, existiram alterações este ano que em nada contribuíram para a melhoria das várias corridas, excepção feita à dos traçados que deixaram a maior fatia da via pública, utilizando os caminhos da mata do Jamor.
 
As partidas no cruzamento da Estrada da Costa para a FMH, complicaram a fluidez do trânsito, sendo necessário fazer tempos de espera para (re) organizar a segurança.
 
A saída dos atletas, curvando à direita, rumo ao Estádio Nacional, encontravam essa mesma curta em cotovelo, gerando apreensão nos participantes, com a corrida de Infantis a sofrer um pequeno incidente, com algumas atletas a “embrulharem-se” e duas a ficar no local da partida.

Já os ponteiros do relógio caminhavam para o meio-dia quando se deu início à última prova, com a entrega de prémios a fazer-se na Sede da U.R.D. a quase 700 metros de distância, misturando-se a chamada dos melhores em cada escalão, com a música ambiente e a chegada dos participantes. Pior não podia ser…

Mónica Moreiras e Abdoulaye Barry vencem nos seniores

Quanto à competição, e pese o facto de no Algarve se realizar o nacional de corta-mato, o NúcleOeiras/SportZone não teve dificuldade em vencer colectivamente a prova do Dafundo. A grande novidade acabou por ser a 4.ª posição conseguida pelo GRD Ribeira da Lage que relegou o Linda-a-Pastora SC para o 5.º lugar, o clube que mais de ressentiu da ausência de atletas. Nos lugares do pódio, ficaram o CR Leões de Porto Salvo e “Os Fixes” de Queluz de Baixo. No 6.º lugar, classificou-se a Casa do Benfica em Algueirão-Mem Martins, reforçando a candidatura a nova vitória “Extra-Concelho”.

Individualmente, e nas corridas principais de seniores, os vencedores não tiveram concorrência à sua altura.
 
No sector feminino, Mónica Moreiras (NúcleOeiras) foi a primeira a cortar a meta, deixando Catarina Ferreira, e Josefa Bongué, ambas do Joaninhas de Leião bem distantes.
 
Nos homens, Abdoulaye Barry, da Juventude Operária de Monte Abraão (JOMA) estreou-se a vencer no Troféu CMO, confirmando as credenciais que mostrou em Casal de Cambra há uma semana atrás.

De registar ainda a vitória de Nuno Cardoso (NúcleOeiras) edm sub-23, um escalão que continua a crescer em número de concorrentes. No Dafundo classificaram-se 18 atletas, enquanto nos Juniores, foram apenas 12, com João Santos (NúcleOeiras) a vencer, aproveitando a ausência do seu companheiro de equipa, João Bértolo, repetindo o triunfo da prova dos Navegadores de Porto Salvo…

VENTURA SARAIVA
 
alt
Corrida feminina com as mulheres na dianteira 
 
alt
Mónica Moreiras vence sem oposição 
 
alt
Pedro Lemos (495) vence corrida de Juvenis 
 
alt
  Saida dos Infantis com uma queda no inicio Saida dos Infantis com uma queda no inicSaida dos Infantis com uma queda no inicio 
 

Periodicidade Diária

sábado, 15 de agosto de 2020 – 20:34:30

Pesquisar

Como comprar fotos

publicidade

Atenção! Este portal usa cookies. Ao continuar a utilizar o portal concorda com o uso de cookies. Saber mais...