12 anos ao serviço do Desporto em Portugal

publicidade

 

A 40ª Meia Maratona de S.João das Lampas e eu

 

À primeira vista dir-se-á que decorreu a 40ª Meia Maratona de S.João das Lampas e que eu fiquei de fora. 


Mas mesmo quando apetece esconder e ficar calada longe de todos, mesmo quando o mar é revolto e a maré arrasta-nos num sentido que não queremos e por instantes sentimos que esgotámos as forças e a vontade é deixar-nos ir, mesmo com tudo e mesmo com nada, rumei a S. João das Lampas na tarde de sábado 10 de Setembro de 2016 e mesmo sem poder correr, eu não iria por nada deixar de estar presente na 40ª edição daquela que é a 2ª Meia Maratona mais antiga de Portugal e aquela que tem lugar cativo no meu coração. Estive lá e fiz parte da festa. Entre o cheiro a óleo das farturas e os copos de imperial na mão e a música dos carroceis, dão-se encontros casuais de muitos velhos amigos da Corrida. Eles já em fase de levantamento de dorsais e aquecimento e eu...sem correr. Ainda assim, eu estive lá e eu também fiz a festa e vivi intensamente a 40ª Meia Maratona das Lampas! Como? Assim:


A 40ª Meia Maratona de S.João das Lampas e eu 


Já experimentaram? Sentir intensamente uma felicidade avassaladora que nos invade o peito e transborda em lágrimas não estivessem estas devidamente aprisionadas e uma tristeza profunda marcada a ferro em brasa no flanco do cavalo, em simultâneo, exactamente no mesmo perfeito e exacto segundo? Pois foi o que me aconteceu nas Lampas durante largos minutos. Primeiro, é rever amigos, dois dedos de conversa com este, e este, e mais este e aquele ali também. E eles são tantos... Depois é ver ser dada a partida e ficar de pés no chão e coração a esvoaçar por entre aqueles corpos coloridos e já suados que se fazem à estrada.


Revejo mentalmente o percurso e voo sem ninguém saber. Vou com eles e eles não sabem. Estou tão feliz. Por eles. Por eu estar ali. Por tudo. Pela Meia Maratona das Lampas acontecer e pela 40ª vez fazer muitas pessoas felizes a correr. 


A correr, sempre soube que é possível levarmos alguém connosco, que não estando fisicamente presente, é levado no nosso pensamento, no nosso coração e por várias vezes no passado, enquanto corria e o suor me lavava o rosto, eu levava comigo tantos amigos...Não sabia é que também podia ser levada! Ficar de pés pesados no chão e ser assim transportada! Leve, tão leve...apesar do peso físico. Não sei quem me levou, mas sinto que foram muitos pois este corpo não se levita assim do chão facilmente.


Poucos minutos depois da partida, é vê-los passar de novo por nós, ainda frescos. Depois nova pausa, esta mais longa, pois os atletas só voltam a passar ali quando já levarem cerca de 13 Km de percurso corrido. Tempo de reflexão, enquanto pairo sobre o percurso mentalmente. Revejo o sobe e desce, as pessoas na rua a apoiar-nos, a subida aos 10 Km, o tanque de água, os chuveiros que a organização sempre disponibiliza. Revejo os meus passos do ano passado, e de outros anos também. Sempre tão diferente e sempre tão especial correr aqui nas Lampas. Depressa chega a altura de os ver passar agora com 13 km nas pernas. Apoio. Apoio cada um e todos. Palmas, uma palavra de incentivo, um sorriso. Tão pouco e tanto. Alguns demasiado concentrados e aparentemente alheios a estas manifestações saloias  (eu sou uma rapariga saloia, já vos disse?). Mas outros dão o sorriso mais bonito que têm e de olhos iluminados agradecem. Não sabem eles, que eu é que lhes agradeço. Porque eles não sabem, mas eu estou a correr com eles porque eles me levam.


Mais depressa chega a hora prevista da chegada dos primeiros classificados e é altura para me posicionar bem perto da meta para os ver chegar. O pórtico da meta, tão especial aqui nas Lampas está vazio ainda. Sozinho, sossegado, silencioso e misterioso. Aguarda os atletas. Os que vêm suados e a espumar, cansados mas felizes por ali chegarem. Portal mágico a levar-nos além e nem sempre se deixa atravessar. Está apenas destinado aos esforçados, aos que acreditam, aos que lutam e por isso são merecedores e vencedores. "Este ano aqui não passarás!", diz-me a bruxa de cabelo louro encrespado e áspero, de verruga no nariz e olhar enganosamente doce. Passarás, passarás, se não for mais à frente, há-de ser lá atrás! Respondo-lhe desafiadora e confiante. Bem, o que queria dizer era que se não era este ano, noutro ano seria, mas com uma infantilidade genuína, quis que rimasse. 


Sou desperta e trazida à Terra, pela aproximação da mota da polícia e o carro da organização. Já lá vinha o 1º atleta. Depois dele, outros. E outros. E se aplaudo todos sem execpção, começo a aperceber-me que pelo meio das palavras de incentivo e apoio, que dou, estou a usar o nome próprio de cada um deles com espantosa frequência. Vitor! Chantal! Rafael! Pedro! Albísio! Paulinho! Álvaro! João! Fernando! Rui! Isa! Carla! Mário! (só para enumerar alguns). Conhecidos e companheiros de ocasião que a Corrida juntou há mais ou menos anos. E Amigos, também. E não são poucos. Genuinamente feliz por eles, sinto uma vontade forte de pular o gradeamento e acompanhá-los nos últimos passos antes da meta e atravessar aquele pórtico mágico com eles. Mas conforme já explicado, não me é permitido e a minha passagem está vedada. Ele não é para todos. Há que o merecer! E ouço a bruxa rir-se estridente e histericamente. E a Tristeza invade-me o peito como nuvem de fumo negro, mas a Felicidade está lá explosiva, a ocupar todos os recantos da alma, alimentada dos sorrisos que recebo dos rostos suados, e diz à Tristeza que hoje já não há ali lugar para ela!


Isto é viver a Meia Maratona de S.João das Lampas. Este ano do lado erróneo da estória, mas sem por isso deixar de a contar. 

 

Ana Pereira

http://mariasemfrionemcasa.blogspot.pt/

 

 


 

sexta-feira, 20 de julho de 2018 – 05:14:05

Pesquisar

Reportagens fotográficas em preparação

- Rolex TP52 World Championship 2018 - Cascais

publicidade

Atenção! Este portal usa cookies. Ao continuar a utilizar o portal concorda com o uso de cookies. Saber mais...