18 anos ao serviço do Desporto em Portugal

publicidade

 

Notícias

Nelson Oliveira foi o melhor português na prova de fundo dos mundiais

Nelson Oliveira foi o melhor português na prova de fundo dos mundiais

 

Portugal enfrentou hoje uma dura e intensa prova de fundo de 267 quilómetros no Campeonato do Mundo de Estrada, em Wollongong, na Austrália. Nelson Oliveira foi o português mais bem classificado, tendo terminado na 44.ª posição, num dia de sonho para Remco Evenepoel (Bélgica), que conquistou o título mundial.

 

A prova de fundo de elite do Campeonato do Mundo de Estrada arrancou de Helensburgh, a partir de onde o pelotão internacional realizou 42 quilómetros até chegar ao primeiro ponto alto da corrida, o Mount Keira. Foi precisamente aí que a seleção francesa decidiu fazer a sua primeira movimentação do dia, acabando por conseguir fragmentar o pelotão. Portugal conseguiu colocar dois corredores no grupo da frente: Ivo Oliveira e Nelson Oliveira.

 

“Quando partimos nunca sabemos como é que a corrida se vai desenrolar. Queríamos estar o mais bem colocados possível, mas também sabíamos que o pelotão poderia partir várias vezes, o que dificultaria o nosso trabalho”, disse o selecionador nacional.

 

Este grupo numeroso, composto por vários nomes importantes como Wout Van Aert (Bélgica), Tadej Pogacar (Eslovénia) e Stefan Küng (Suíça), chegou a ter cerca de dois minutos para o pelotão. A fuga acabaria por ser alcançada, pois nunca chegou a haver entendimento entre os corredores.

 

Entretanto formar-se-ia uma nova fuga, esta sim com sucesso, composta por 16 corredores. O grupo de fugitivos chegou a ter cerca de oito minutos para o pelotão, de onde mais à frente na corrida sairia o derradeiro ataque que decidiu a corrida. Desta feita seria, uma vez mais, a França a movimentar as águas, proporcionando a saída de um grupo de mais de 20 corredores de várias seleções, que se estabeleceria em posição intermédia. Portugal não conseguiu colocar nenhum corredor neste grupo, no qual estava inserido Remco Evenepoel (Bélgica) e ainda outros corredores que poderiam lutar por um bom resultado, tais como Neilson Powless (EUA), Nairo Quintana (Colômbia), Jai Hindley (Austrália), Romain Bardet (França) e Alexey Lutsenko (Cazaquistão).

 

O selecionador nacional, José Poeira, explica por que é que Portugal não conseguiu integrar-se nesta fuga. “Quando se deu esse ataque ainda era muito cedo e chegámos a pensar que a fuga poderia não ter êxito. Além disso, no momento em que se deu o ataque não conseguimos estar no sítio certo para responder”.

 

Nesta altura, a seleção nacional já tinha perdido um dos seus quatro elementos, como relata o selecionador nacional, José Poeira. “O Rui Oliveira teve uma avaria na bicicleta quando estava num grupo que tentou sair do pelotão atrás do grupo onde seguia o Remco. Este problema surgiu numa altura complicada da corrida, em que existiam muitas movimentações, perdeu terreno quando teve de mudar a roda e nunca mais conseguiu recolar. Sei que no sprint final o Rui poderia ter feito um bom resultado, mas as circunstâncias da corrida e este percalço que ele teve não o permitiram estar lá”.

 

Este grupo em que estava inserido Remco Evenepoel acabaria por conseguir chegar aos corredores que seguiam em cabeça de corrida, formando assim uma fuga mais numerosa. Lá atrás, no pelotão era a seleção de Espanha que assumia as despesas da corrida.

 

Tal como já seria de esperar, o ataque por parte de Remco Evenepoel na frente da corrida acabaria por surgir. O primeiro seria a 60 quilómetros do final, no final da subida ao Mount Pleasant, com resposta pronta dos restantes elementos do grupo onde seguia.

 

No pelotão reinava a falta de entendimento entre as várias seleções. Perante uma tentativa por parte de Tadej Pogacar de impor um ritmo mais forte houve resposta por parte de vários corredores, entre eles João Almeida, que se mantinha entre os primeiros do pelotão nesta altura da corrida.

 

Na frente, as movimentações iam-se sucedendo, com Remco Evenepoel a lançar-se novamente ao ataque, desta vez levando consigo Alexey Lutsenko, O belga só teve de esperar pelo momento certo para lançar o ataque que o levaria à vitória, a 25 quilómetros do final. Esta iniciativa extremamente eficaz surgiu também no final da subida do Mount Pleasant.

 

Remco Evenepoel foi em solitário até à linha de meta, onde teria tempo de sobra para celebrar o culminar de uma temporada de sonho. O grupo de cinco elementos que seguia em posição intermédia acabaria por ser absorvido pelo pelotão já nos metros finais, com o francês Christophe Laporte e o australiano Michael Matthews a conquistarem, respetivamente, as medalhas de prata e bronze. De ressalvar que Remco Evenepoel ganhou quase 2m30s a este primeiro grupo de corredores.

 

Nelson Oliveira foi o primeiro representante da seleção nacional a chegar, a 3m01s do vencedor. João Almeida chegou depois, em 60.º lugar, a 5m16s. Ivo Oliveira fechou em 81.º, a 9m31s.

 

“Queremos sempre mais”, sublinhou o selecionador nacional.“Sei que o percurso não nos favorecia muito e com o azar que tivemos pelo meio acabamos por não conseguir o resultado que desejávamos. Queríamos e acreditávamos que conseguiríamos fazer melhor, mas acho que tendo em conta as circunstâncias da corrida acho que foi o resultado possível”.

 

José Poeira falou ainda sobre a prestação de João Almeida na prova de hoje. “Também acredito que o problema de saúde que o João Almeida teve e que o impediu de participar no contrarrelógio também fez com que hoje não estivesse tão forte. Esta era uma prova muito longa e difícil e o facto de ter estado algum tempo sem treinar devido a esse problema poderá ter influenciado a sua prestação”.

 

Periodicidade Diária

domingo, 25 de fevereiro de 2024 – 08:22:27

Pesquisar

Como comprar fotos

publicidade

Atenção! Este portal usa cookies. Ao continuar a utilizar o portal concorda com o uso de cookies. Saber mais...