18 anos ao serviço do Desporto em Portugal

publicidade

 

Notícias

Pedro Sousa junta-se a Nuno Borges em duelo-espetáculo no Maia Open

 
- Um tenista luso assegurado nos quartos de final
- Três duplas “da casa” nos quartos de final de pares
Dois anos depois de ter erguido o último título da carreira, o português Pedro Sousa regressou com uma vitória ao Maia Open, que falhou na última época, e juntou-se ao compatriota Nuno Borges na segunda ronda do quadro principal. A quarta edição do evento é organizada pela Federação Portuguesa de Ténis com o apoio da Câmara Municipal da Maia entre os dias 27 de novembro e 4 de dezembro, no Complexo de Ténis da Maia.
 
A jogar o torneio com ranking protegido, Pedro Sousa (atual 528.º classificado no ranking ATP), de 34 anos, levou a melhor sobre o ucraniano Oleksii Krutykh (190.º), 12 anos mais novo, por 6-4 e 6-4.
 
Este foi o último encontro da primeira ronda do Maia Open e colocou frente a frente dois jogadores em momentos muito distintos: enquanto o português tem vivido um regresso ao circuito pós-lesão conturbado, com várias paragens devido a pequenos percalços físicos e resultados inconsistentes, o ucraniano chegou à Maia com o troféu de campeão do Challenger de Valência na bagagem.
 
Ainda assim, a pouca competição de Pedro Sousa nos últimos meses foi “disfarçada” pela boa preparação do ex-número 99 do ranking ATP. Mais preparado e também mais paciente, o lisboeta abriu o livro em vários momentos e acabou a celebrar a sexta vitória consecutiva neste palco.
 
"Já não jogava aqui há muito tempo e é bom estar de volta. As condições são pesadas e costuma estar frio, mas não sei porquê consigo adaptar-me e jogar bem aqui”, explicou a propósito do regresso feliz, antes de antever o encontro mais aguardado da segunda ronda.
 
"Já nos defrontámos duas vezes este ano e fizemos uma semana de treinos antes de Valência, por isso não há segredos entre nós. Os encontros em Oeiras e Bordéus já foram há algum tempo, por isso acho que vou buscar mais sensações a essa semana e estou à espera de um bom encontro. Não sei quem será o favorito, talvez ele pelo momento de forma e também por jogar em casa, mas isso também traz mais pressão", disse Pedro Sousa acerca do reencontro com Nuno Borges.
 
Antes de Pedro Sousa avançar para a segunda ronda, Gonçalo Oliveira esteve muito próximo de seguir para os quartos de final. Mas o portuense, que não conseguiu ser feliz em 2022 e está no limite do top 500 (esta semana surge na 485.ª posição), acabou por ceder frente ao austríaco Jurij Rodionov (120.º e segundo cabeça de série) no tie-break da terceira partida, parciais de 3-6, 6-2 e 7-6(1).
 
Em causa estava uma das melhores vitórias da carreira de Oliveira, que não andou longe: tal como na véspera, o jogador "da casa" apresentou-se muito agressivo, com um peso de bola destacado da concorrência e chegou a liderar por 4-2 no parcial decisivo, só que uma série de 10 pontos consecutivos para Rodionov inverteu o duelo, mais tarde decidido com um tira-teimas no qual o serviço do austríaco lhe permitiu carimbar a vitória com autoridade.
 
Assim sendo, Nuno Borges e Pedro Sousa são os únicos representantes portugueses ainda em prova no quadro de singulares do Maia Open, que tem assegurada a presença de um deles nos quartos de final. O duelo 100% luso está agendado para as 13 horas de quinta-feira.
 
Na variante de pares o saldo luso é ainda mais positivo, com quatro duplas 100% portuguesas apuradas para os quartos de final.
 
Se na terça-feira avançaram os irmãos Francisco Rocha e Henrique Rocha, esta quarta-feira juntaram-se a eles outras três composições. Na mesma metade do quadro ficou garantida a presença de pelo menos uma delas nas meias-finais, dado que os campeões em título e primeiros cabeças de série, Nuno Borges e Francisco Cabral, voltaram a ser felizes lado a lado ao superarem o espanhol Nicolas Alvarez Varona e o cazaque Timofey Skatov por 7-6(4) e 6-2 e agendaram encontro com Jaime Faria e Duarte Vale — horas antes venceram Denis Istomin e Evgeny Karlovskiy por 6-4 e 7-6(7).
 
Já na metade inferior do quadro, Fábio Coelho e Gonçalo Falcão superaram Gonçalo Oliveira e o polaco Artsiom Dabryian por 6-2 e 6-4 e terão pela frente a dupla sensação desta temporada, formada pelos britânicos Julian Cash e Henry Patten, que desde o início da temporada de relva conquistaram nove (!) títulos Challenger lado a lado.
 

Periodicidade Diária

domingo, 19 de maio de 2024 – 05:10:31

Pesquisar

Como comprar fotos

publicidade

Atenção! Este portal usa cookies. Ao continuar a utilizar o portal concorda com o uso de cookies. Saber mais...